21.8.11

ÉKSÓ

Nunca me rebelei contra os uniformes escolares. Desde a escolinha, em criança, assistia às aulas trajado no fardamento completo – da camisa ao tênis. Sem qualquer tipo de customização, sem boné, sem relógios coloridos, sem jaquetas ou sem qualquer assessório que voluntariamente transgredisse a básica ideologia do fardamento – igualar. Ainda assim, jamais pude escapar da sensação de deslocamento: a cabeça ruiva, flamejante, faroleira, estava sempre em cima de mim, acima de mim. A implicância das demais crianças com meus cabelos ruivos, o espanto em perceber que sou facilmente localizável, o apontar dos outros nas ruas, os adjetivos “exótico”, “diferente” ou outros do mesmo campo semântico constantemente me sendo entregues... Mas o que fazer? Era fato: não havia outras crianças ruivas na escola, na rua, no bairro – havia na cidade? Não lembro. E assim também o foi na adolescência. Mesmo tendo vindo para uma cidade bem maior durante a primeira fase da juventude, mesmo encontrando ocasionalmente com outros ruivos em alguns lugares, em ônibus – nossos olhares sempre atentos um pro outro, talvez mais admirados conosco que os outros de cabelos de tonalidade mais comum, o silêncio que dizia espantado: um ruivo!, até o momento de sairmos de nossos campos de visão com uma levíssima estranha sensação de comunhão . Eu devia ter aprendido melhor para hoje não me deixar atingir tanto. Pois tudo isso àquela época eram, decerto, ensaios para hoje. Hoje que dentro de mim tudo é tão incandescente e magmático que suplanta qualquer brilho ígneo que meus cabelos agora um tanto esmaecidos possam radiar ao sol. Hoje é o meu de-dentro que sinto muito mais singular, exótico, diferente, tantas vezes estranho a mim mesmo, de fogo – ruivo. E em meio à mudez instaurada entre quem eu vejo e me vê por onde vou, ou a pouca palavra entre mim e os que conheço, não posso esperar que me apontem, que me localizem pelo que jorra de mim em – mim. Entretanto, ontem à noite, como em alguns sábados à noite, saí, fardado de sorrisos, de perfumes, de roupas, de amigos, desejoso de me igualar a quem sai aos sábados à noite para se divertir. Às vezes consigo. Gosto. Mas ontem falhei. Não sei o que aconteceu, estava indo bem, a música estava boa, as companhias eram agradáveis, até que desavisadamente como são os abalos sísmicos meus avessos começaram a se remexer, o âmago a se chocar contra o âmago, corri para o banheiro e vomitei. Na boca ficou, muito representativamente, um insuportável gosto amargo. Fui imediatamente ao bar, comprei uma bebida que engolia em grandes goles, enquanto engendrava conversas com quem estava ao meu redor sobre qualquer coisa para tentar disfarçar a falência de meu ânimo. Dançar já estava fora de qualquer cogitação. Tentei flertes – mas era inútil. Nada mais eu tinha a ver com as pessoas e com o local e com a música. Aquela velha sensação de garotinho na escola havia voltado, mas potencializada com a impiedosa força com que maltrato a mim próprio e, ao mesmo tempo, também com a selvageria de uma autoestima liberta, que em onda andante e flexível agora corre desaferrada, que nada mais quer deixar morrer no coração, me deixava eriçado.  Tudo ali ficou assombrosamente bobo, inferior, débil, patético. O ar de tão pesado exigia esforço para entrar nas narinas e, como se não bastasse, estava inteiramente contaminado com a fumaça de cigarros irritantes.  Estava cada vez mais difícil manter a pose. Foi então que o moço ao meu lado, moço que escreve livros pra criança, chegou mais perto de mim e do nada perguntou: você não se sente daqui, não é? Fiquei constrangido como quem é pego em flagrante. Não, agora não me sinto, respondi num sorriso nervoso. Me despedi dele num longo e forte abraço, também de quem estava mais próximo, tomei um táxi e voltei para casa, exaurido.

6 comentários:

Anônimo disse...

Você, talvez, pode ter sido acometido por uma crise de ansiedade. No mais, gostei do texto. Não é todo mundo que tem coragem de expor situações próprias de vulnerabilidade. Grande abraço.

amarelo disse...

estranho te ler e me ver no texto! nós, pessoas tão diferentes uma da outra.

agradável a sensação de continuar te lendo e tendo boas surpresas.

=*

Alien disse...

Acontece...

Interessante foi alguém perceber. Se fosse comigo, garanto que seria uma atriz tão perfeita que ninguém perceberia, exceto quando (se) notassem minha ausência e a falta de motivos.

Você escreve tão bem :).

Mercúrio Cromo disse...

Ruivo! Que fato!
Que espanto!
Nunca tinha te lido, apenas ouvido! Que coisa estranha ao ler isso vindo de você, que tanto parece "se misturar bem aos sábado a noite, com as pessoas que também se misturam nos sábados a noite"!!!

Uma primeira experiencia chocante e acolhedora! =]
Ganhando mais um fã!

Anônimo disse...

Your life. My life. Your life. What can I say to you? It's just all games.
Swinging in your the backyard, inside of you, you just return to video, videogames. It's you, it's you.
You open up a beer, and play with them. In your favourite regimentals uniform suit,you take it over in there place.Taking your body downtown.
Go play a video game.
It's you, it's you, it's all for you.Singing in the old bars. Swinging with old friends. Living for them. Video games.
You remember yourself, your stolen youth come back to you now.
I heard that you like to be youth. Now you do again.
It's better than you ever even knew. They say that the world was built for youngers. Now you do.
He hold you in his arms.This is all you can think of. Watching all our friends fall.This is idea of fun.
Your youth fun.
It's you. It's you. It's all for you.

Fanzine Episódio Cultural disse...


NATÁLIA CAMPOS, NASCE UMA ESTRELA...
Natália Misael Campos, 12 anos, moradora do Bairro Santa Luíza, é um talento nato. Com muita garra e simplicidade, a primogênita do casal Aline Souza Misael e Ivan da Silva Campos Jr., interpreta com louvor as canções de sua artista favorita: Aline Barros.
Esta pequena estrela começou a cantar nos cultos realizados na 5º I.P.I de Machado. Seus pais ficaram surpresos ao presenciar sua melodia encantar a todos.
Natália era aluna do C.A.I.C, e por indicação de uma amiga, foi convidada pela diretora Jomara Caproni para representar a escola num evento natalino, realizado na Praça Central, em 2010.
Acompanhada ao violão pelo professor de Educação Física, Natália foi muito aplaudida.
Em meados deste ano ela marcou presença na TV Amaral (canal online) da capital de São Paulo, e na “Pré-Marcha Para Jesus”, em Machado.
Seu maior sonho é gravar um CD com músicas próprias, e amadurecer cada vez mais a sua voz. Por isso seus pais estão em busca de alguém que possa patrocinar (investir em) seu talento musical.
“O caminho é longo e cheio de espinhos, mas com fé em Deus, vencerei”, disse.



Vídeo “Ressuscita-me” (interpretado por Natália)
http://www.youtube.com/watch?v=FVdkaMVm6Rc